Siga por Email

Marcadores

Encontre no blog. É só digitar

terça-feira, 22 de fevereiro de 2011

PÔ, É POESIA! Eu





















EU

Um dia alguém querendo uma história,
Que fosse além de qualquer pensamento,
Juntou, assim, de forma aleatória,
Num aparelho vários elementos.

Pegou um pouco dessa vida inglória,
Tristeza, angústia e muito sofrimento,
E tudo enfim que veio à memória,
Prá retratar, quem sabe, um sentimento.

Então ligou a máquina possante,
E transformou em pasta aquilo tudo,
Que sem conserva logo pereceu.

O que sequer pensou num só instante,
Talvez até por ser tão absurdo,
É que o produto tinha um nome: eu.
Paulo Natalino Dian (década de 80)


Nenhum comentário:

Postar um comentário