Siga por Email

Marcadores

Encontre no blog. É só digitar

quarta-feira, 9 de junho de 2010

IDADE DO LOBO

IDADE DO LOBO Uma explicação

Há quem diga que seja desfaçatez de homens e álibi para justificar sua sem-vergonhice. Por julgamento semelhante passa quem já sofreu de uma depressão.

Para os apressadinhos, maldosos e desinformados, depressão não passa de frescura.


Mas a verdade é que nem a depressão é frescura e nem a síndrome da idade do lobo é álibi para coisa nenhuma. Estamos falando de doenças, ainda que de cunho emocional, psicológico, existencial.

Por que idade do lobo?

O nome da síndrome vem da observação das matilhas e de uma conduta que, em regra, acontece com os lobos que começam a envelhecer. Nessa fase eles começam a se isolar do grupo, como que numa percepção animal de que a morte se aproxima.

No homem, o que acontece é uma luta mental e interior contra a percepção de que se está ficando velho.

Aí, contra os fatos, trava-se uma luta para se mostrar que ainda se é jovem, com o mesmo vigor, a mesma disposição, os mesmos gostos, o mesmo charme de outrora capaz de, por exemplo, atrair e despertar o interesse numa mulher.

Nessa fase, para provar para si mesmo que não está ficando velho, o homem acometido pela síndrome sente a necessidade da conquista.

Isso se revela pela adoção de roupas jovens, comportamentos jovens, uso de expressões mais comuns nas bocas dos jovens, preferência por estar sempre envolvido ou cercado pelos jovens, especialmente pelas jovens.

É claro que, em muitos homens, esse comportamento é super natural e, cá entre nós, não há nada de errado em conviver e se sentir muito à vontade no meio dos mais jovens.

Mas para quem está acometido da síndrome, nada disso é natural. Ao contrário, é tudo contrário à natureza da pessoa e à sua vivência até ali.

Instalada a síndrome, uma das primeiras vítimas dela é a esposa. Sim, porque a esposa passa a ser vista como uma espécie de empecilho a que o homem possa exercer plenamente a sua liberdade.

Aí vêm as crises conjugais e muitos casamentos sucumbem.

Passada a crise, vencida a síndrome, vem a dor de se ter destruído todos os laços familiares tão benfazejos de outrora.

Eu fui acometido por essa síndrome. E sofri muito. E fiz minha querida esposa sofrer muito também.

O nosso maior sofrimento se deu, exatamente, porque nos amávamos muito. Sempre foi assim. E foi o meu amor por ela que me segurou e me impediu de fazer loucuras. E foi o amor dela por mim que a impediu de chutar o balde e pôr termo a nossa linda história de amor.

Nós sempre fomos muito felizes. A síndrome foi um parêntesis que se abriu e se fechou. E isso já faz mais de 15 anos. Nós somos muito felizes.

P.S.: Para quem me lê: há homens sem caráter que vão pesquisar o tema tão somente para justificar sua conduta reprovável. E há homens dignos que adoecem. Mas as mulheres sábias saberão distinguir com que tipo de homem estão lidando.



















SONETO DO CANSADO

Estou cansado desta vida estulta,
Que me abate o ânimo e maltrata,
Perdeu a sua graça, ficou chata,
E num abismo insosso me sepulta.

Estou cansado desta vida adulta,
Que às vezes se revela um tanto ingrata,
E contra a parede me achata,
E em cobranças mil sempre resulta.

Estou cansado desta vida inglória,
Sem tino, sem paixão, sem esperança,
Com rugas já tomando minha tez

Pudesse eu mudava a história,
Voltava então de novo a ser criança,
Pra ser feliz, enfim, mais uma vez.

Paulo Natalino Dian

















NO CHÃO

Estava dissolvida pelo ar,
E acho que aos poucos a inspirei,
Dopando-me sem mesmo perceber.

Agora me encontro aqui no chão,
Pedindo aos passantes uma mão,
Pra ver se eu encontro salvação,
Erguendo-me de novo pra viver.

Estou gritando a plenos pulmões:
“Socorram-me! Dêem-me atenção!
Ao meu suplício abram os corações!...”

Percebo que estou gritando em vão;
Não há ninguém querendo me ouvir.
Talvez me ouçam, mas sem condição,
Sem tempo, sem vontade, sem razão.
Precisam perseguir aspirações,
E no caminho à frente prosseguir.

Vislumbro finalmente aparecer,
Alguém que tinha tudo pra ajudar,
E a esperança em mim se renovou.

Chamei-a pelo nome e... “por favor!
Você que, sei, ainda me quer bem,
Socorra-me! Levanta-me pelo amor...!”

Bem que ela quis. Mas como quis não deu.
Não pude atender as condições.
Mais uma vez restou a frustração,
E a esperança frágil feneceu.

Qual verme me arrasto pelo chão,
Colhendo as migalhas que do ar,
Caindo vão chegando à minha mão.

Não grito mais, não peço atenção.
Espero sem a menor convicção,
Que um dia algo vá acontecer,
E aí de novo hei de levantar,
E pelas ruas, livre, caminhar,
Embora atrasado perseguir,
O sonho de ainda ser feliz.

Porém surpreso não irei ficar,
Se nada disso, enfim, acontecer,
E persistir esta sofreguidão.

É certo que um dia vou morrer.
Da indesejável não dá pra fugir.

‘té que ela chegue vou vivendo em vão,
Sem sonho, sem alento, sem paixão,
Indiferente à inerte multidão,
Que apressada segue sem me ouvir,
Deixando-me abatido aqui no chão.


Paulo Natalino Dian



















SEM RUMO

Caminha assim, ao léu, sem direção,
Qual carro sem chofer, na contramão.

Caminha sem saber o seu papel,
Na peça que o destino lhe pregou,
Olhando abobalhado para o céu.

Caminha sem sentir o próprio chão,
Pois se caminha o faz sem uma razão,
Que justifique o fato de seguir.

Seguir em frente, mas sem definir,
Aonde vai, se vai, fazer o quê?

Caminha e vai vivendo por viver,
Fingindo muitas vezes que está bem.

Porém às vezes deixa-se trair,
E externa então a sua frustração,
De estar se dirigindo como quem,
Caminha sem destino e ao léu,
Qual carro sem chofer na contramão.

Um acidente pode ocorrer.
Ou um milagre, e nada acontecer.

Mas onde encontrar o seu porquê,
Que possa impulsioná-lo a seguir,
Não como alguém que vai tão só por ir,
Mas como quem sobeja de razão,
Pra ser feliz e ter satisfação,
Naquilo que se faz, no seu papel,
E não como quem segue e lá no céu,
Mantém o seu olhar, talvez por crer,
Que algo que ao menos julgue o quê,
Reverta-lhe a sorte e então, feliz,
Erguido, enfim, da sua frustração,
Caminhe em pé e já não mas ao léu,
Desgovernado pela contramão,
Qual carro que trafega sem chofer?

Responda, por favor, quem o souber.

12/08/1998 - Paulo Natalino Dian























O QUE HÁ DENTRO DO POÇO?

Responda pra mim “seu” moço: o que há dentro do poço?
À beira dele me acho... o que me aguarda embaixo?
Quem é ingênuo não malda, de que é feita a calda.

Responda pra mim “seu” moço: o que há dentro do poço?
Quem cai encontra a saída e volta a viver a vida?
Ou raramente há tal sorte, pois quem espera é a morte?

Responda pra mim “seu” moço: o que há dentro do poço?

Quem cai se escalda e aprende? Ou preso à calda se rende?
A calda é assim pegajosa? Ou bem no fundo é gostosa?

Responda pra mim “seu” moço: o que há dentro do poço?

Eu temo a calda do poço, pois cá no fundo, “seu” moço,
Um coração apertado me adverte: Cuidado!

Mas o que faz quem se sente, na crise tão impotente,
Sentindo-se atraído, por algo nunca vivido?

Por favor! Responda moço! O que há dentro do poço?

Se eu sigo em frente e caio, um dia dele eu saio?
Sair será a saída pra dar sentido à vida?

Por favor, responda moço! O que há dentro do poço?

Há outra coisa amigo, preciso saber disso agora:
Será que correm perigo os meus queridos de outrora?

Não fique resposta devendo, portanto aproveita e salda:
Se a calda for me envolvendo, eles escapam da calda?

Responda pra mim “seu” moço: o que há dentro do poço?

Às vezes penso que tudo vai ajustar-se no espaço.
Mas a seguir fico mudo: Se assim não for, o que faço?

Este caminho “seu” moço... quem nele segue se esbalda?
E afinal, é um poço, ou muitos Poços de Caldas?

Responda pra mim “seu” moço: o que há dentro do poço?

Por favor! Responda moço! O que há dentro do poço?

Poços de Caldas, 21/01/95 - Paulo Natalino Dian

Um comentário:

  1.  SENHOR DEUS em nome de JESUS te peço que neste exato momento (PAF) sinta saudades de mim. Que seja o que for que contrarie o nosso encontro, acabe EM NOME DE JESUS e que (PAF), sinta uma profunda necessidade de me ver, de falar comigo, que os nove coros dos Anjos soprem meu nome (ERF) nos ouvidos de (PAF)e que (PAF) não sinta sossegado, ate dizer que não pode viver sem mim ainda hoje. Que esta vontade se torne irresistível nesse exato instante e sempre, LOUVADO SEJA JESUS CRISTO, LOUVADO SEJA NOSSO DEUS TODO PODEROSO, REI DE TODO UNIVERSO, terra, céu e mar, louvado seja os Anjos Miguel, Gabriel e Rafael. Que este meu desejo se reforce na luz do MESTRE JESUS e que se realize agora mesmo. Pela SANTISSIMA TRINDADE, PAI!FILHO E!ESPIRITO SANTO DE DEUS, que quebre o orgulho o egoísmo e o medo que se instalaram no coração de (PAF). Peço a NOSSO SENHOR JESUS CRISTO, que nos proteja e a nosso amor, que esse amor nunca cause tristeza para ninguém, e que o caminho de (PAF) não seja desviado por maus influencias. Peço aos três Arcanjos Miguel, Gabriel e Rafael, que afastem (PAF) de pessoas que possam afasta-lo de mim, principalmente as mulheres que ele procurar. Que (PAF) fique protegido e não sinta atraído ou desejo, por ninguém ou nenhuma outra mulher alem de mim (ERF), e que pare de procurar outras mulheres, que não seja eu (ERF), e não sinta desejo por alguma delas. Oh MESTRE eu suplico que neste momento que(PAF) sinta uma irresistível vontade de ligar p/ mim e que tudo se cumpra assim que eu publicar essa oração. Eu sou a realização desse desejo, eu sou a pura atração de (PAF). Eu sou a imediata saudade de (PAF). Eu sou o amor perfeito de (PAF). Eu sou a realização de (PAF). Eu sou o! Coração de (PAF) Publica!r! 9 dias exaltando o nome de JESUS !P!AI, DEUS FILHO E DEUS E!SP!!IRITO SANTO, e ter seu desejo realizado. AMEM, EM NOME DE JESUS MEU DEUS EU TE SUPLICO E JESUS TE AGRADEÇO POIS SEI QUE POR TUA MISERICORDIA TU VAI ME CONCEDER ESSE DESEJO REALIZADO,AMEM

    ResponderExcluir