Siga por Email

Marcadores

Encontre no blog. É só digitar

segunda-feira, 31 de outubro de 2011

ESCREVENDO: PASTORES





















PASTORES e pastores

Um pastor amigo meu, mais gente boa que a maioria dos seus pares, contudo, e não obstante, mais líder religioso que pastor, se referiu a mim, sem nenhuma maldade, como “ex-quase futuro pastor”.

Ao seu comentário respondi, apenas que, pastor, aquele que é, é.

É claro que a minha resposta não comporta muitos significados: pastor é aquilo que o título sugere e cujo modelo maior não é outro senão Jesus.

Entendendo-se, assim, chega-se à desagradável constatação de que cada vez mais temos menos pastores.

Ou você conhece a muitos pastores que, como Jesus, dariam a vida por seus rebanhos? Eu não conheço. Não a muitos. Embora saiba que existe.

A verdade nua e crua é que o que temos hoje, neste circo no que se transformou o cristianismo, é profissionais – de péssima qualidade, diga-se de passagem – da religião. Gente de boa índole, às vezes, mas nem por isso digna do título de pastor. E seriam muito honestos se, à pergunta: Qual a sua profissão? respondessem naturalmente: pastor.

Ou seja: os pastores se transformaram numa modalidade diferente de pastores, estranha à palavra que deu origem ao termo ‘pastor’ para aqueles que estão à frente de um grupo de pessoas chamado rebanho.

Neste sentido, como já antecipei, pastor é sinônimo de empregado a serviço da religião de onde extrai o seu sustento.

Pior do que essa modalidade é aquela que transformou a profissão num meio de controle de almas carentes de Deus, sedentas de Deus, vazias de Deus e que, maldosamente, são exploradas pelos profissionais da religião que lhes direcionam a vida, sempre no sentido de mantê-las sob o jugo que lhes impõem e delas arrancar sujeição, admiração, dependência psicológica e recursos, muitos recursos.

Ah! Meu Deus! Como estamos carentes de pastores! Quão estranho e desprazeroso é, num momento em que milhares são proclamados ou se auto-proclamam pastores, ver desenvolver em nós a desagradável sensação de que, de pastores, estamos carentes!

Paulo Natalino Dian


Nenhum comentário:

Postar um comentário