Siga por Email

Marcadores

Encontre no blog. É só digitar

quarta-feira, 30 de março de 2011

PÔ, É POESIA: O nascimento





















— Quando João nasceu, lá no distante cantão, da pequena Manhumirim, foi mais ou menos assim:

·     O galo cantava
·     O pinto piava
·     A galinha cacarejava
·     O trem na estação partia
·     A dona Emília brigava
·     E seu João lamentava: que há de ser desta cria!?
·     João Emílio chorava
·     O carro de boi se arrastava
·     O vira-lata latia
·     O cavalo relinchava
·     A vaca branca mugia
·     O boi do churrasco berrava
·     Alguém uns gases soltava
·     O sapo coaxava
·     Enquanto a parteira ria

Quando a Cris nasceu, parecido aconteceu. Mas Cris não é do sertão, diferente do João, na cidade ela nasceu. Vejam o que aconteceu:

·     A panela soltava vapor
·     O carro esquentava o motor
·     Roberto cantava a canção
·     Dois tiros matavam um ladrão
·     Bombeiros tocavam o sinal
·     Partia um trem da Central
·     Seu Mário assistia ao Faustão
·     No rádio era gol do mengão
·     Na rua o carro freou
·     A dona Elenilda gritou
·     E lá no berço, feliz
·     Ouve-se a conversa da Cris

Agora eles vão se casar. Não dá mais pra segurar e eles vão se casar. Seus panos vão ajuntar, a festa vai começar e os sons vão se misturar:

·     A panela o vapor vai soltar e o galo agitado cantar
·     Mugindo pro brejo irá a vaca e o boi pra chorar
·     O carro o motor vai esquentar e a galinha vai se lamentar
·     O cachorro late infeliz chamando pela dona Cris
·     Roberto repete a canção, o trem sai da estação
·     Seu Mário ainda vê o Faustão e a esposa grita o refrão: “Desliga a televisão!”
·     Dez tiros matam um ladrão, do sapo o coaxo se ouviu
·     Do Vasco o mengão leva três, o cavalo relincha uma vez
·     João começa a chorar, bombeiros vêem pra ajudar
·     Mais gases vão se soltar
·     A marcha vai se ouvir
·     E o casal vai partir, num carro de boi lá do fim, da pequena Manhumirim.

(Brincadeira feita num chá de panela de um casal amigo há bastante tempo. Foi muito legal).

Paulo Natalino Dian

Nenhum comentário:

Postar um comentário