Siga por Email

Marcadores

Encontre no blog. É só digitar

sábado, 31 de dezembro de 2011

NO CAMINHO: FELIZ? NESTE MUNDO?





















FELIZ? NESTE MUNDO?


Ler Mateus 5


É inegável que o desejo mais profundo de todo ser humano é ser feliz.

O problema é que o interior do homem é completamente confuso, e o 

ambiente que ele mesmo constrói a fim de ser a sua moradia relacional é 
um mero reprodutor daquilo que o coração carrega.

Assim, o mundo é a nossa cara, e se faz perceber não como o lugar 

onde furacões acontecem, enchentes caotízam regiões, e terremotos 
sacodem o chão, mas sim como o lugar onde existe o homem, um ser 
que reproduz na Terra os desertos, os rios envenenados, o ar poluído, 
as carências de vida, os desequilíbrios, os lixões, os paredões de 
execução,os presídios, as chacinas, o câncer que come o corpo inteiro 
como corrupção social que existe em seu interior. E mais: esse ser faz 
isto mediante muitas caras e faces, pois aparecem como verdades religiosas, 
padrões morais, convenções, muros do qual o da China é mera maquete, 
e mísseis tão velozes para matar quanto a sua própria língua.

Assim, o homem que ser feliz, porém, ele mesmo, cria o mundo que

impossibilita a sua própria felicidade.

Foi por isto que Jesus ensinou que neste mundo caído a bem-aventurança 

está em não contribuir com a infelicidade do mundo, e resistir no 
contentamento e na exultação, sem jamais chorar lágrimas que já não 
tragam em si mesmas o consolo, nem ter nenhuma causa que não sejam 
pacificação e justiça, e não carregar em si nada além de um coração 
ensinável e uma consciência firme no que é o Bem de toda Aventurança nesta 
vida.

Somente assim alguém pode ser feliz nesta terra de desencontros, 

e onde a busca da felicidade acontece como um desejo que é assassinado 
pelo próprio homem, tanto em razão dele ser como é, como também em 
razão do ambiente que ele cria a fim de procurar encontrar a tal felicidade.

Ora, o problema não é Terra. A Terra é boa. Com boa consciência e 

entendimento em respeito e reverencia—não precisa nem falar em amor
—, todos os humanos poderiam ser muito felizes neste planeta, apesar de 
todos os seus acidentes e incidentes.

O que nos impede de sermos felizes é nosso coração incapaz de se abrir 

para o entendimento de que a vida será tanto mais fácil e boa quanto menos 
peso nós pusermos uns sobre os outros.

Quando deixarmos de policiar a felicidade nossa e alheia, então, lentamente, 

a bem-aventurança começará a brotar bem de leve e bem úmida na terra do 
nosso coração.

E quem sabe, daí, do coração, ela se espalhe para fora...e entre em outros?


Caio Fábio

Nenhum comentário:

Postar um comentário